INDICADORES DE QUALIDADE PARA OS PROGRAMAS DE ALFABETIZAÇÃO. ESTUDO DE TRÊS VARIAVEIS

ELADIO SEBASTIAN HEREDERO

Resumo


O desafio da alfabetização aos 8 anos de idade, promovido pelo MEC do Brasil desde o ano 2000, tem mobilizado uma quantidade imensa de ações pelas Secretarias de Educação e pelo próprio MEC concretizadas em forma de Programas de Alfabetização. Este trabalho que apresentamos parte da reflexão de que, mesmo com todos estes esforços e recursos disponibilizados, os resultados ainda estão longe do esperado. É por isso que trazemos aqui um estudo sobre três variáveis que incidem nos resultados: liderança escolar, coordenação nas escolas e gestão dos recursos humanos; com ele pretendemos abrir as discussões sobre outros indicadores de qualidade que poderiam ser incorporados aos programas de alfabetização para melhorar as metas. Organizado em forma de pesquisa documental traz algumas das principais investigações sobre estas três variáveis. As considerações finais deixam evidencias de que só o ensino na própria sala de aula tem maior influência sobre as aprendizagens que a liderança educacional exercida pelos gestores escolares; que a coordenação na escola deve atuar em direções: a preventiva para tratar de detectar situações, a reguladora que pretende atender situações e necessidades e a geradora de dinâmicas de coordenação educativa; colocar os melhor preparados no lugar adequado, promover a coeducação, oferecer oportunidades para disponibilizar professor de apoio ou dois professores na sala como decisões de uma boa gestão dos recursos humanos, seja pelos gestores ou pelas Secretarias de Educação.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Stephen. Liderazgo Directivo: Claves para una mejor escuela. Psicoperspectivas. Individuo y Sociedad, Vol. 9, No. 2. 2010. Disponível em: http://www.psicoperspectivas.cl/index.php/psicoperspectivas/article/view/127/141. Acesso em: 25 mai. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: formação do professor alfabetizador — caderno de apresentação. Brasília: MEC; SEB, 2012.

Duran, David. e Miquel, Esther. (2003). Cooperar para enseñar y aprender. Cuadernos de Pedagogía, 331, 73-76. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/39206681_Cooperar_para_ensenar_y_aprender Acesso em: 26 mai. 2018.

EISENMAN, L. T., PLEET, A. M., WANDRY, D., & MCGINLEY, V.Voices of special education teachers in an inclusive high school: Redefining responsibilities. Remedial and Special Education 32. 2011. p. 91–104. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0741932510361248 Acesso em: 23 mai. 2018.

GERTEL, H; GIULIODORI, R; HERRERO, V e FRESOLI, D. Los factores determinantes del rendimiento escolar al termino de la Educación Básica en Argentina. Una Aplicación de Técnicas de Análisis Jerárquico de Datos. Facultad de Ciencias Económicas, Universidad de Córdoba. Argentina. 2000.

HARBINSON, Ralph e HANUSHEK, Erick. Educational Performance of the Poor: Lessons from Rural Northeast Brazil Tercera edición. Washington: World Bank. 1992.

HANUSHEK, E. Publicly provided education. Cambridge. NBER Working Paper Series. Vol. 8799. 2002. p. 1-131. Disponível em: http://www.nber.org/papers/w8799.pdf Acesso em: 25 mai. 2018.

IDOL, L.Toward Inclusion of Special Education Students in General Education. A Program Evaluation of Eight Schools. Remedial and Special Education, 27. 2006. 77-94. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/07419325060270020601 Acesso em: 23 mai. 2018.

LACERDA, Mitsi Pinheiro de. A alfabetização e o inventário de uma herança. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 55, jan./mar.. Editora UFPR. 2015. p. 189-204. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n55/0101-4358-er-55-00189.pdf Acesso em: 27 mai. 2018.

LANKFORD, H.; LOEB, S. e WYCKOFF. J. Teacher sorting and the plight of urban schools: A descriptive analysis. Educational Evaluation and Policy Analysis. Vol. 24 N° 1, 2002. p. 37-62. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/10.3102/01623737024001037 Acesso em: 26 mai. 2018.

LEITHWOOD, K. e outros ¿Cómo liderar nuestras escuelas? Ed. Salesiana. Chile. 2009

MCKINSEY e Cols. Cómo hicieron los sistemas educativos con mejor desempeño del mundo para alcanzar sus objetivos. Educarchile: Santiago de Chile. 2007. Disponível em: http://mt.educarchile.cl/MT/jjbrunner/archives/2008/07/post_94.html Acesso em: 23 mai. 2018.

STOLL, L. e TEMPERLEY, J. Mejorar el liderazgo escolar: Herramientas de trabajo. OCDE. México. 2009. Disponível em: http://www.oecd.org/education/school/43913363.pdf Acesso em: 27 mai. 2018.

VILLA, A. y GAIRÍN, J. (1996): Funcionamiento de los Equipos Directivos. Análisis y Reflexiones a partir de una investigación empírica. In: Universidad de Deusto. Dirección participativa y evaluación de centros. Bilbao, ICE. 1996. p. 489-556.

ROBINSON, Viviane M. J.; LLOYD, Claire A.; ROWE, Kenneth J. El impacto del liderazgo en los resultados de los estudiantes. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 12(4e). 2014. p. 13-40. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/551/55131688002.pdf Acesso em: 25 mai. 2018.

UNESCO. TERCE OREALC/UNESCO Santiago. 2015. Disponível em: http://www.unesco.org/new/es/santiago/terce/ Acesso em: 23 mai. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.