O PAPEL DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL E A RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR NO QUESITO FORMAÇÃO DE HÁBITOS SAUDÁVEIS

Flávia Assunção de Oliveira

Resumo


A OMS (Organização Mundial de Saúde) nos alerta que 41 milhões de crianças com até 5 anos são obesas. Diante de tal preocupação o assunto alimentação saudável tem sido um dos temas atuais em discussão. Esta pesquisa objetivou demonstrar a relevância da figura do professor, frente a formação de hábitos saudáveis de seus alunos, de modo que auxiliem na construção de um pensamento que defende a importância da alimentação saudável como componente essencial na constituição do ser integral. Foi realizada uma pesquisa qualitativa do tipo revisão bibliográfica, feita através de um levantamento de dados, no qual foram pesquisados artigos referentes à temática abordada em bases de dados como: Scielo (Scientific Electronic Library Online), Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e BVS (Biblioteca Virtual e Saúde).  Os resultados obtidos revelam a existência de uma carência de estudos relacionados à formação de estratégias de ensino no quesito relacionado à alimentação saudável, dificultando assim a prática dos professores em relação ao assunto. Conclui-se que é necessário a elaboração de estratégias de ensino que visem um aprofundamento maior ao tema, e que haja uma conscientização mútua, por parte de pais e professores quanto à sua responsabilidade como incentivadores de bons hábitos alimentares.

Texto completo:

PDF

Referências


BONÉ, M. A.; BONITO, J; CALDEIRA, V; Capacitação de crianças com dificuldades intelectuais para boas práticas alimentares. Holos, 2015. Vol.1, (p. 212 - 224)

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente e saúde. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental; 1997. 128 p.

DAVANÇO, G.M., TADDEI, J.A.A.C., GAGLIANONE, C.P. Conhecimentos, atitudes e práticas de professores de ciclo básico, expostos e não expostos a Curso de Educação Nutricional. Revista Nutrição, abr./mai 2004. (p. 177 – 184)

FECHINE, Á. et al.; Percepção dos pais e professores sobre a influência dos alimentos industrializados na saúde infantil. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, jan./ mar. 2015. (p. 16 - 22).

KNEIPP, C.; HABITZREUTER, F.; MEZADRI, T.; HOFELMANN, D.; Excesso de peso e variáveis associadas em escolares de Itajaí, Santa Catarin, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 2015. (P. 2411 - 2422)

Lei n° 11.947, de 16 de junho de 2009. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2009. Disponível em: . Acesso em: 31 mai. 2018.

NOVAS DIRETRIZES PARA O COMBATE A OBESIDADE INFANTIL. Disponivel em: https://nacoesunidas.org/oms-lanca-novas-diretrizes-de-combate-a-obesidade-infantil-no-mundo>. Acesso em: 05 abr. 2018.

PARENTE ALBUQUERQUE, L. et al; Relação da obesidade com o comportamento alimentar e o estilo de vida de escolares brasileiros. Revista Nutrición Clínica Dietética Hospitalaria, 2016. Vol.36, (p.17 - 23)

PÓVOA, H; col. AYER, L; CALLEGARO, J. Nutrição cerebral. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005. 228p.

ROCHA, A.; FACINA, V.; Professores da rede municipal de ensino e o conhecimento sobre o papel da escola na formação dos hábitos alimentares dos escolares. Ciênc.

Educ., Bauru, 2017. Vol.23, (p. 691 - 706).

ROMANHOLO, R.; ROMANHOLO, H.; LUCENA, A.; FERREIRA, J.; BORGES, C.; ALMEIDA, F.; Estudos epidemiológicos e a obesidade em escolares. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, 2016. Vol.10, (p. 411 - 421).

SOUZA, Dr Josélio Gomes. Medicina Psicossomática, Isbn, RJ-2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.