CARACTERIZAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E PERFIL BIOQUÍMICO DE PACIENTES PÓS INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Barbara Cristina Zioli de Paula, Viviane Cristina Movio, Leticia Aparecida Barufi Fernandes

Resumo


As doenças cardiovasculares representam uma das maiores causas de morbimortalidade em todo o mundo. Existem sólidas evidências que o desenvolvimento das doenças cardiovasculares (DCV) resulta da combinação de extensa gama de fatores de risco que, tradicionalmente, vêm sendo classificados como modificáveis e não modificáveis, divididos em genéticos, socioeconômicos e ambientais. A nutrição tem alto poder de apoio terapêutico nesses casos, iniciando as orientações nutricionais, com avaliação antropométrica, bioquímica, clínica e dietética, o indivíduo tem melhora clínica, mudança do estilo de vida e qualidade de vida, prevenindo ou retardando novos ataques cardíacos. Caracterizar a correlação entre o estado nutricional, bioquímico e dietético de pacientes pós-infarto agudo do miocárdio de um hospital da cidade de Votuporanga/SP. A amostra foi composta por 30 adultos de ambos os sexos, com idade entre 30 a 90 anos. Foram estudados prospectivamente, todos os casos de pacientes pós infarto agudo do miocárdio constatado clinico e laboratorialmente que adentraram o hospital da cidade de Votuporanga. Os dados foram coletados serão obtidos a partir de informações registradas no protocolo de avaliação e acompanhamento nutricional, dietético e bioquímico no período de Maio e Agosto de 2017. A ingestão elevada de lipídeos (media de 34,07%) foi associada a sobrepeso e comorbidades. Entre os indicadores antropométricos foram encontrados valores elevados para o índice de massa corporal com a média de 27,39 Kg/m², que correlacionaram com circunferência da cintura e relação cintura/quadril. Em relação a marcadores bioquímicos verificou-se baixos níveis de HDL-c e altos níveis de glicemia jejum, com achados de 34,45 mg/dl e 132,2 mg/dl respectivamente, o que justifica a alta prevalência de comorbidades. A população estudada apresentou alto risco de novos eventos cardiovasculares, principalmente em decorrência dos elevados indicadores antropométricos e bioquímicos, ressaltando- se a importância do atendimento nutricional prevenindo ou retardando novos ataques cardíacos.

Palavras-chave: Infarto Agudo do Miocárdio. Avaliação Antropométrica. Hábito Alimentar.

 

REFERÊNCIAS:

 

GOMES, M. N.; et al. Relação entre Variáveis Antropométricas, Bioquímicas e Hemodinâmicas de Pacientes Cardiopatas. Int J Cardiovasc Sci. v. 28, n. 5, p. 392-399, 2015.

 

GREENE, S. J.; VADUGANATHAN, M.; LUPI, L. EVEREST Trial Investigators: Prognostic significance of serum total cholesterol and triglyceride levels in patients hospitalized for heart failure with reduced ejection fraction (from the EVEREST Trial). The American Journal of Cardiology. v. 111, n. 4, p. 574-581, 2013.

 

LOBATO, T. A.; et al. Indicadores antropométricos de obesidade em pacientes com infarto agudo do miocárdio. Rev Bras Cardiol. v. 25, n.  3, p. 203-212, 2014.

 

PIEGAS, L.S.; et al. V Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Tratamento do Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnível do Segmento ST. Arq. Bras. Cardiol. v. 105, n. 2, p. 1-121, 2015.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


UNIFEV - Centro Universitário de Votuporanga