CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL DOS ADOLESCENTES DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DE UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO NOROESTE PAULISTA

Yasmin Catharine Silva Moro, João Antonio Valezi Junior, Mariana Fernandes Martins, Valéria Da Cruz Oliveira de Castro

Resumo


A saúde é classificada pela OMS como um estado de completo bem estar físico, mental e social, não consistindo apenas na ausência de doença ou de enfermidade. Considerando que a saúde com suas políticas nacionais englobam todas as idades, destaca-se a importância delas na adolescência, pois este traz uma condição intrínseca de vulnerabilidade. Isso os torna condicionados ao ambiente físico e social em que vivem, necessitando de atenção integral. O objetivo da pesquisa foi caracterizar o perfil dos adolescentes da área de abrangência de uma UBS do Noroeste Paulista. Trata-se de uma investigação exploratória e descritiva, onde foram utilizadas variáveis quali-quantitativas por meio de um questionário. Os participantes foram adolescentes que frequentavam uma UBS do município. A maioria foram meninas de 15 anos e pode-se observar que o grau de escolaridade dos participantes não foi influenciado pelo grau dos pais, contrariando pesquisas que afirmaram que classes desfavorecidas levam à desmotivação da continuidade dos estudos. Grande parte possui projeto de vida sendo que 66,7 % classificaram seu futuro em otimista e gostaria de fazer um curso profissional, porém nunca fizeram o que demonstra que adolescentes das classes populares não conseguem concretizar seus sonhos. Questionados sobre sugestões para melhorar a qualidade de vida da população, responderam ¿diminuir a violência¿ e reformar o espaço físico do bairro que possui áreas de lazer inacabadas, convergindo com autores que evidenciam a desigualdade dos equipamentos sociais nos bairros e a violência que isto gera. A maioria consome álcool e fumam com frequência, sendo que grande parte já experimentou outra droga além dessas, indo de encontro a pesquisas onde demonstram que o vício mais comum na adolescência é tabagismo e há indicadores que jovens fumantes têm probabilidade três vezes maior de consumir álcool e oito vezes de cannabis. Entre as jovens, 77,8 % disseram não utilizar métodos contraceptivos, demonstrando que meninas são mais propensas a envolver-se em sexo precoce evidenciado pela presença de uma mãe no grupo, porém menos propensas a utilizar anticoncepcional. Por ultimo, as principais dificuldades no relacionamento familiar foram ausência de afetividade e envolvimento com drogas e/ou ato infracional, demonstrando que um ambiente violento, gera indivíduos inseguros e sujeitos ao crime e drogadição. Pode-se concluir que o perfil dos adolescentes analisados é de marginalização social, pois enfrentam conflitos com drogas e violência gerando dificuldades para realizarem seus sonhos, além da situação doméstica que os reprimem de mudar sua condição.

Palavras-chave: Saúde do Adolescente. Vulnerabilidade social. Perfil dos adolescentes.

 

REFERÊNCIAS:

 

PESSALACIA, Juliana Dias Reis; MENEZES, Elen Soraia de; MASSUIA, Dinéia. A vulnerabilidade do adolescente numa perspectiva das políticas de saúde pública. Bioethikos, São Paulo, p.423-430, 2010.

 

NEW YORK. UNICEF. . Situação mundial da infância 2011. 2011. Disponível em: <https://www.unicef.org/brazil/pt/br_sowcr11web.pdf>. Acesso em: 20 out. 2017

BAYMA-FREIRE, Hilda; ROAZZI, Antonio; ROAZZI, Maira M.. O nível de escolaridade dos pais interfere na permanência dos filhos na escola? Revista de Estudios e InvestigaciÓn En PsicologÍa y EducaciÓn, Brasil, p.35-40, 2015.

 

CASTRO, Mary Garcia; ABRAMOVAY, Miriam. Jovens em situação de pobreza, vulnerabilidades sociais e violências. Cadernos de Pesquisa, Brasil, p.143-176, 2002.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


UNIFEV - Centro Universitário de Votuporanga